Nasceu no Mato Grosso do Sul e mora no Rio de Janeiro. Fascinada por terror, fonte de medo sempre, viu nos quadrinhos a melhor forma de expressar a ansiedade e a constante busca de boas histórias.

Colecionadora de quadrinhos e nerd de carteirinha, Ana tem na Beladona um orgulho enorme no seu desenvolvimento e história.

Participou de vários álbuns coletivos com outros autores, como a Quadrinhópole, Clássicos Revisitados e Feitiço da Vila.

Exibindo todos 2 resultados

Beladona

R$ 59,90 R$ 53,90

A HQ conta a história de Samantha, uma menina assombrada por sonhos terríveis.

A história se passa em dois mundos: Primeiro o mundo real e o segundo, e que na verdade é onde se passa a maior parte de nossa história: um mundo dos pesadelos’.

Nesse mundo dos pesadelos, Samantha é perseguida constantemente por espíritos que a atormentam e que claramente desejam seu mal, mas isso tudo tem um propósito sinistro e que a levará a uma jornada com momentos de superação, descoberta, euforia, depressão e violência.

O álbum foi financiado através do site Catarse, de financiamento coletivo, com 654 apoiadores. Um dos projetos de quadrinhos mais bem sucedidos no Brasil.

Além dos desenhos do Denis Mello, a revista ainda conta com prefácio de Julio Shimamoto, mestre dos quadrinhos de terror brasileiro, texto de Danilo Beyruth (Astronauta: Magnetar) na Contracapa. Um making off da história, do roteiro a arte final,  e uma galeria de artistas convidados como Vitor Cafaggi, Danilo Beyruth e Mario Cau.

Dezessete Mortos – Pré-Venda

R$ 29,90 R$ 26,90

Este parece um livro de contos caído do alforje de um viajante pelos campos do sul, que nele colocou as histórias que ouviu contar. Nele encontramos narrativas que mesclam tradições ancestrais e medos modernos, seja na vingança da mãe inconformada ou na viagem de dois jovens pelo mais estranho dos mapas. Os mitos ganham vida junto a uma família assombrada pela guerra e são totalmente reais nas paixões que uma moça é capaz de causar, na ferocidade de um guerreiro ou no que uma menina consegue ver de sua janela. E ver é tudo o que uma inspetora de polícia não quer. Pelo menos, não da forma como ela vê. Usando cenários diferentes no tempo e no espaço, Nikelen Witter reúne, nessa coletânea, contos que estavam dispersos em outras publicações, mas que aqui formam um todo, uma memória, um sopro numa noite fria… Leia com as luzes acesas.